Contato Portal do Corretor Portal do Cliente

Contato

Whatsapp

Telefone de contato: 62 3250-0404

Contato por whatsapp

Ligamos para você

Seja um Fornecedor

Vender um terreno

Marketing

Informe os seus dados e deixe sua mensagem

Revista Opus

Sustentabilidade Tecnologia Dicas Arquitetura Estilo Arte

Arquitetura, Sustentabilidade

Francis Kéré: o primeiro negro a vencer o Prêmio Pritzker, o 'Nobel da Arquitetura'

16/03/2022

Uma estreia muito importante aconteceu nesta terça (15) no campo da Arquitetura. Diébédo Francis Kéré foi o vencedor do Prêmio Pritzker de Arquitetura 2022 , conhecido como o 'Prêmio Nobel de Arquitetura'.

Desta forma, Francis Kéré torna-se o 51º vencedor do prémio, sendo o 1ª negro da história a levar a medalha.

Através de edifícios que demonstram beleza, modéstia, audácia e invenção, e pela integridade de sua arquitetura e gesto, Kéré conquistou graciosamente o prestígio do Prêmio. Da mesma forma, os organizadores do Prêmio reconheceram Francis Kéré por capacitar e transformar comunidades através do processo de arquitetura, bem como por seus designs inovadores e sustentáveis.

Kéré foi creditado com seu trabalho por "empoderar e transformar comunidades através do processo arquitetônico".

Escola Primária em Gando / Kéré Architecture

Quem é Diébédo Francis Kéré?

Kéré nasceu na pequena aldeia de Gando, Burkina Faso, em 1965. Como filho mais velho do chefe da aldeia, foi o primeiro da sua comunidade a frequentar a escola, que foi onde surgiu seu senso de arquitetura, pois as salas de aula de Gando careciam de ventilação e luz.

“Eu cresci em uma comunidade onde não havia jardim de infância, mas onde toda a comunidade era sua família. Todo mundo cuidava de você e toda a cidade era seu pátio de recreio. Meus dias eram para garantir comida e água, mas também estar juntos, conversando, construindo casas juntos. Lembro-me do quarto onde minha avó se sentava e contava histórias com um pouco de luz, enquanto nos aconchegávamos um ao lado do outro e sua voz dentro do quarto nos envolvia, convocando-nos a chegar mais perto e formar um lugar seguro. Esse foi meu primeiro sentido de arquitetura”, lembra o arquiteto.

 

Em 1985, viajou para Berlim com uma bolsa profissional de carpintaria, com a qual aprendeu a fazer tetos e móveis. Posteriormente, em 1995, foi premiado com uma bolsa para frequentar a Technische Universität Berlin, graduando-se em 2004 com um grau avançado em arquitetura.

Um ano depois, fundou o estúdio Kéré Architecture, em Berlim, e começou a trabalhar para dar soluções aos problemas enfrentados por seu país de origem, como a falta de infraestrutura educacional de qualidade.

No entanto, em 1998, ele estabeleceu a Fundação Kéré para arrecadar fundos e fornecer às crianças de sua comunidade uma sala de aula adequada. Assim, seu primeiro projeto foi a Escola Primária Gando, em 2001.

Ampliação da escola primária, Gando, Burkina Faso (2008)

A arquitetura de Keré

“A expressão poética da luz é consistente em toda a obra de Kéré . Os raios do sol filtram-se pelos edifícios, pátios e espaços intermediários, superando as duras condições do meio-dia para oferecer locais de serenidade ou de encontro”, refere o comunicado do Prémio Pritzker .

As obras de Francis Kéré caracterizam-se por evocar a arquitectura tradicional africana, aliada a técnicas de construção inovadoras, além do uso de materiais locais e da construção de projetos que proporcionem qualidade de vida às comunidades.

Centro de Saúde, Léo, Burkina Faso (2017)

“Espero mudar o paradigma, levar as pessoas a sonhar e arriscar. Não porque você é rico você deve desperdiçar material. Não porque você é pobre, você não pode tentar criar qualidade. Todos merecem qualidade, todos merecem luxo e todos merecem conforto. Estamos interligados e as preocupações com o clima, a democracia e a escassez são preocupações de todos nós. Temos que lutar para criar a qualidade que precisamos para melhorar a vida das pessoas”, declarou o arquiteto.

Após o sucesso da Escola Primária Gando, Keré estabeleceu instalações médicas primárias, secundárias e pós-secundárias em Burkina Faso, Quênia, Moçambique e Uganda.

Suas obras também incluem pavilhões e instalações na Alemanha, Itália, Dinamarca, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos. Além disso, dois edifícios históricos do parlamento estão em andamento: a Assembleia Nacional de Burkina Faso e a Assembleia Nacional de Benin; bem como o TStartup Lions, um campus de tecnologia da informação e comunicação no Quênia, e o Instituto de Tecnologia de Burkina Faso.

Festival Coachella (2019)

A vasta produção arquitetônica do escritório inclui uma série de projetos nos quais a tradição local busca uma exploração constante das formas inovadoras de se construir. Em cada projeto, desde pequenas instalações temporárias até edifícios educacionais e cívicos, se destacam o uso de materiais locais, o trabalho participativo e um forte compromisso social.

Pavilhão Serpentine Gallery, Londres (2017)

Compartilhar:

Voltar

Utilizamos cookies para oferecer a melhor experiência, aperfeiçoar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar o conteúdo. Antes de utilizar nosso site, leia atentamente nossa política de privacidade.